sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Então eu entro nessa prosa
Sem saudade.
E quando paro pra escutar vejo se é tarde
Tarde pra sentir o aroma
Desses seus cabelos negros,
Negros como o tempo
Em dia que te vi partir.
Partir minha estrada vida,
Estrada de terra batida,
Em antes e depois
Do dia em que te conheci.
Era leve o vento que senti roçar a pele
Me arrastando como ao pólen.
Carregadas nuvens cobriam meu céu
Choveu, choveu.
Molhando minha terra seca.

Posso Perguntar ? - Ellen Oléria

3 pessoas bobearam:

  1. Muito bom sua postagem, suave, nos faz imaginar cada acontecimento.

    Belo Blog.
    Bons Ventos!!


    www.bloginoportuno.blogspot.com

  1. Lindo! Gostei muito.
    Bastante sensível. O que retrata muito a feminilidade de uma mulher.
    Gostei muito dessa parte:

    "Me arrastando como ao pólen.
    Carregadas nuvens cobriam meu céu
    Choveu, choveu.
    Molhando minha terra seca."

    Bem poético.
    Beijos!

    Não deixe de visitar o blog A Borboletra! ;)

    http://aborboletra.blogspot.com

  1. Sílvia Soares disse...:

    Que lindo!! Leve e aconchegante, por assim dizer!
    =)
    Gostei muito!